Mulheres ganham cada vez mais espaço no chamado "Universo Masculino" com garra e profissionalismo. Confira!



A mulher veio para ficar no mundo do trabalho, conquistando ano a ano cada vez mais papéis de liderança, e aos poucos penetrando em vagas antes destinadas somente aos homens. 

Áreas do mercado de trabalho outrora destinadas apenas a pessoas do sexo masculino, que devido a tabus de que força ou raciocínio lógico eram habilidades puramente masculinas, aos poucos veem sendo preenchidas pelas mulheres, que ao terem esse tipo de oportunidade, simplesmente demonstram que podem ser tão, ou ainda bem mais eficazes que os colegas homens no desempenhos dessas funções.
Com apurado poder de observação, disciplina e senso crítico, as mulheres desempenham com louvor qualquer tipo de trabalho, quando lhes é dada alguma oportunidade.

Prova disso está no Grupo Potiguar que aposta na força de trabalho das mulheres sem preconceito, e oferece oportunidades às colaboradoras em todas as áreas da empresa, sempre que é percebida uma habilidade.
Para quem pensa que lidar com ferramentas como furadeiras, serras e outras do gênero é coisa de homem, no Grupo Potiguar é exatamente uma mulher que comanda o Setor de Ferramentas, uma das mais importantes divisões da empresa. 

Nilde Morais é muito feminina, mãe de uma filha pequena e não dispensa o uso do batom e salto alto no trabalho. Mas com muita competência, é ela quem ensina, treina e supervisiona uma equipe tipicamente masculina de vendedores desse setor.
Ela diz que o uso de ferramentas não requer força física, mas sim raciocínio e atenção. 

"Fiz cursos sobre as ferramentas que vendemos e meu papel é multiplicar esse conhecimento para nosso time de vendedores nas quatro lojas do grupo. Quero que cada um aja como um consultor junto ao cliente, orientando sobre qual a melhor ferramenta para cada necessidade, e acima de tudo, quebrando o tabu de que as ferramentas não podem ser úteis para as mulheres. Muito pelo contrário, temos clientes que instalaram sozinhas estantes e berços em suas casas, usando ferramentas compradas conosco e que elas aprenderam a usar sem dificuldade", conta Nilde.

Com seu exemplo de liderança e trabalho em equipe, Nilde Morais mostra que a mulher pode vencer em qualquer área, desde que tenha garra e profissionalismo.  


O “efeito mulher” na liderança executiva

Outra área tipicamente masculina é a de liderança executiva, em cargos de comando máximo junto às empresas e entidades.

Durante o último século, as mulheres lutaram para se tornar uma parte da ativa na força de trabalho - um mundo originalmente concebido sem elas. À medida que avançavam nas suas carreiras, elas foram constantemente desafiadas a autenticar sua liderança, provar o seu potencial e firmar seu compromisso com o cargo, tudo isso ainda recebendo salários desiguais. Contudo, cada vez mais mulheres estão assumindo altos cargos nas companhias e promovendo a mudança na cultura corporativa e no equilíbrio entre vida profissional e familiar.

E cada vez mais, as mulheres que chegam ao poder, colaboram para mudar a dinâmica do mercado antes tão machista; e desafiam ambientes majoritariamente masculinos, transformando positivamente o ambiente de trabalho. 

Na Faculdade DeVry  São Luís, voltada para cursos na área de engenharia, quem comanda tudo é uma mulher. Ela possui um histórico de trabalho, garra, superação e sucesso em um alto posto: A Gerente Geral da Faculdade, professora Lucia Cristina Gauber. Mestre em Letras, ela foi aos poucos trocando a carreira de docente pela de gestora, tendo liderado com grande sucesso duas outras Faculdades do grupo DeVry em outros Estados, antes de assumir o posto de comando geral na Faculdade DeVry São Luís. Aqui, ela tem como missão consolidar a presença da IES que conta com menos de 3 anos de mercado, aumentar o número de alunos e a oferta de cursos, mantendo a qualidade com padrão internacional do grupo DeVry. Uma executiva que foi escolhida a dedo pelo Grupo, com uma missão estratégica e importante. 

"Não existe área ou profissão na qual a mulher não possa atuar. Temos habilidades específicas como maior poder de diálogo e uma intuição apurada, que juntamente com outros conhecimentos nos capacitam para todas as profissões. O que cada mulher precisa é somente de oportunidade e conhecimento. Aqui na DeVry temos muitas mulheres nos cursos de engenharia, e sempre as estimulamos, pois acreditamos no empoderamento feminino como a melhor resposta às demandas da sociedade e do mercado de trabalho", declarou a profa. Lucia Gauber.   



Na Odebrecht Ambiental, empresa de serviços de água e esgotamento sanitário, o universo de trabalho sempre atraiu mais homens que mulheres. Em campo por exemplo, a função de leiturista - profissional que confere mensalmente o consumo de água dos clientes - que antes era totalmente dominada por homens, recentemente passou a contar também com as habilidades das mulheres também. 
Com sede em Paço do Lumiar, no Maiobão, a concessionária que atende aos municípios de Ribamar e Paço do Lumiar já conta com três mulheres exercendo essa função. E com sucesso. Elas além de realizarem sua jornada de trabalho, ainda desempenham outros papéis, pois também são mães e estudantes, além de exímias profissionais.


Giselle Braga Silva é uma dessas leituristas. Ela se diz realizada e feliz com o trabalho e vence a cada, dia qualquer preconceito que possa existir na hora do contato com cada cliente em campo. Sua melhor arma para isso é o profissionalismo!
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar! Deixe seu link para retribui a visita ❤
Instagram: @blogntc @riicardocastro